quinta-feira, 15 de julho de 2010

Doenças em neonatais causadas por vírus e outras causas

Oi, gente!
Para dar continuidade ao nosso assunto vamos tratar hoje de doenças neonatais causadas por vírus e outras causas.
Bem, como sabemos, o organismo animal possui as barreiras físicas necessárias para impedir a entrada de muitos microorganismos, mas nós sabemos que ela não é totalmente eficiente, por isso as doenças surgem. Essas doenças podem ter origem bacterial,fúngica ou viral. Nessa semana vamos falar sobre alguns vírus que atacam nossos filhotes e como seu sistema imune se defende desses vilões.

A grande maioria dos patógenos, células tumorais ou infectadas por vírus são atacadas pela resposta mediada por células.
Na resposta imune celular (RIC) contra vírus ocorre migração dos invasores para linfonodos satélites e apresentação de antígeno pelos macrófagos a células T helper, que se multiplicarão e também haverá formação de células T de memória, capazes de armazenar informações sobre o antígeno que foi apresentado. Essa “lembrança” será útil em uma segunda exposição a esse mesmo antígeno, para que possa ser rapidamente reconhecido eliminado.


Esquema de formação de linfócitos T.


Os macrófagos que estimulam a produção de linfócitos T helper-1 (LTh-1),também estimulam a exocitose de IL-1, responsável por ativar os LTh-1 para aumentarem sua própria população e seu metabolismo.Um grande número desses linfócitos irá produxir IFN-gama que tem efeito na ativação da fagocitose e na expressão de MHC-classe II em macrófagos.

Esquema de células do esquema imunitário que secretam IFN- gama.

Numa infecção viral, além dos antígenos serem apresentados a LT-helpers, os LTc são apresentados de forma direta ao chegarem nas células infectadas. Na síntese de MHC-1, quando suas cadeias que acabaram de ser sintetizadas no retículo endoplasmático rugoso e estão sendo transportadas para a superfície, ocorre uma fusão com uma vesícula que contém peptídeos virais intrínsecos da célula. Ao chegar à superfície, o MHC-1 tem na sua cadeia de aminoácidos esses peptídeos virais, o receptor CD8 dos LTc se encaixa a seu sítio de ligação lateral e o TCR dos LTc é capaz de identificar a cadeia estranha e desencadear o ataque à célula.

Exemplos de vírus que causam infecções celulares.


Doenças neonatais podem ter etiologias muito variadas. Dentre elas, temos as de origem por infecção de microorganismos, como doenças virais em neonatos. Ao sair do útero materno, o neonato deixa um ambiente asséptico para enfrentar o assedio de milhoes de causadores de infecções! Qualquer espécie pode ser submetida a essas infecções, entretanto, cada uma possui doenças virais específicas mais frequentemente observadas.

Em bovinos, a mais recorrente é a diarréia neonatal em bezerros. Agentes enteropatogênicos, bactérias (Escherichia coli, Salmonella sp, Clostridium perfringens) e especialmente vírus (rotavírus e coronavírus) causam grande perda de líquidos e eletrólitos corporais, levando a uma desidratação que, dependendo do grau, pode levar à diminuição de peso, havendo a possibilidade de evoluir para um choque hipovolêmico, levando o animal a óbito.

E. coli - causa comum de diarréia bovina em neonatos.

Nas infecções por coronavírus, os animais apresentam sinais de fraqueza, depressão, dificuldade ao mamar, e as fezes com muco e leite coagulado. A enfermidade costuma atacar animais a partir dos sete dias de idade até três semanas de vida.
As infecções por rotavírus sao detectadas por depresão leve, salivação, relutância para mamar e parar de pé, diarréia aquosa amarelada. A disseminação entre outros neonatos é rápida, por iso preocupante, especialmente porque os animais mais afetados são aqueles com menos de 10 dias de idade (tempo em que o neonato ainda está em adaptação sísica e imunológica). A contaminação por rotavírus se dá por ingestão de material fecal contaminado.
Corona vírus - micrografia eletrônica.

O surto da rotavirose depende diretamente da presença de anticorpos transferidos passivamente, e animais que recebem colostro em tempo hábil ficam bastante protegidos da infecção.

Em felinos, a preocupação com a Leucemia Viral Felina é relativamente alta. É causada por vírus do gênero Gammaretrovirus, e pode ser classificado como um oncovírus chamado Felv. Pode acometer felinos adultos, mas os neonatos possuem muito menos resistência, especialmente gatos domésticos (curiosamente, a incidência em felinos é menor, aparentando certa resistência).
O vírus Felv pode causar sérias doenças como leucemias, linfomas, linfossarcomas, fibrossarcomas, imunossupressão e abortamentos, logo, podemos notar sua estreita relação com o ataque a elementos do sangue e do sistema imune. Isso se explica ao observarmos o desenvolvimento do vírus, que ao entrar no organismo, inicia o processo com a replicação nas tonsilas e linfonodos do animal. Ele infecta pequenas quantidades de linfócitos B circulantes e macrófagos, que disseminarão o vírus para todo o organismo, com a posterior replicação do Felv no baço, tecidos linfóides associados ao intestino, linfonodos, células epiteliais das criptas intestinais, e células precursoras da medula óssea. Há então liberação de neutrófilos e plaquetas infectados da medula óssea para o sistema circulatório, se disseminando para diversos tecidos, inclusive tecidos da glândula salivar e bexiga. Dessa forma, a disseminação da doença se dá pelo contato da urina ou saliva que, entre a mãe e o neonato, o contato é praticamente imediato. Em gatas prenhas infectadas, o vírus leva a morte e absorção fetal no primeiro terço da gestação(2 – 3 semanas). Também provoca morte fetal e abortamento, com conseqüente involução da placenta, com cerca de 5 – 7 semanas de prenhez.
Células infectadas por FELV - vírus da leucemia felina.

Bom, é isso pessoal! Esperamos que vcs tenham gostado!
Próximo post falaremos da profilaxia de várias das doenças aqui, já que sempre usamos o 4o. post do mês (quando temos prova) para fazermos uma breve revisão dos assuntos tratados!

Até a próxima!
Equipe Imunologando

Nenhum comentário:

Postar um comentário